O envelhecimento da população é uma tendência mundial, mas no Brasil a taxa cresce em ritmo acelerado. Neste cenário, é importante amadurecer o atendimento ao idoso em todos os setores. E na área médica esta deve ser uma das prioridades.

É fato: veremos cada vez mais pessoas com mais de 60 anos em todos os lugares. Em consultórios, clínicas e hospitais, é claro que o número é maior. Ou seja: o bom atendimento ao idoso se tornou ainda mais importante nestes locais.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa de vida do brasileiro aumentou em 30 anos no último século e os idosos já ultrapassam os 30 milhões. As novas projeções indicam que até 2030 eles serão quase 20% do total da população.

Vivendo mais, qualquer pessoa busca e necessita de mais cuidados com a saúde para garantir uma melhor qualidade de vida. E nessa hora, o mínimo que se espera é um atendimento acolhedor.

Você está preparado para dar aos idosos o tratamento que eles desejam e merecem? Confira nossas dicas e comece a melhorar os procedimentos de seu atendimento!

Atendimento humanizado

Você já passou por uma situação em que foi mal atendido? Pacientes passam por isso todos os dias.

Desde uma recepcionista que não olha nos olhos até um médico que não presta atenção em suas queixas, as instituições que trabalham com a saúde das pessoas nem sempre atentam a estes aspectos básicos.

O que elas estão deixando de fazer é o que chamamos de atendimento humanizado.

Atendimento humanizado é uma forma de aproximação com o paciente, criando laços para entender suas preocupações de forma afetiva, personalizada e humana.

Ser atencioso com qualquer paciente é importante para que ele se sinta valorizado. Quando ele é idoso, é muito natural que se sinta mais fragilizado, o que faz com que a carência pelo atendimento humanizado seja bem maior.

Afinal, são muitos os fatores limitadores e dificultantes, dos mais diversos tipos, inclusive as próprias doenças e enfermidades que são mais frequentes e intensas nesta fase da vida.

Não há quem não se sinta sensibilizado perante as necessidades especiais de um paciente idoso, mas muita gente se sente paralisada por não saber como agir perante as diferentes situações com que precisa lidar.

Mas tenha calma. Aliás, ter calma é a primeira regra neste caso. E siga nossas dicas para dar a devida atenção e os cuidados necessários ao paciente idoso.

O atendimento ao idoso considerando suas limitações físicas

Estamos falando de acessibilidade. As pessoas idosas têm uma acentuada redução de massa muscular e aumento de massa adiposa, o que diminui consideravelmente a sua mobilidade.

Dificuldades de equilíbrio também são bastante comuns em idades avançadas, além de outros tipos de desconforto que dificultam a permanência em pé ou a movimentação.

Além dessas mudanças, que são naturais do processo de envelhecimento, muitos idosos possuem outras necessidades especiais, necessitando do uso de cadeiras de rodas e andadores.

Considerando essas limitações, garantir a prioridade no atendimento é apenas o básico. É necessário oferecer muito mais:

  • sinalizar corredores para facilitar a localização;
  • imprimir exames e outros documentos em letras grandes quando possível;
  • instalar portas mais largas;
  • instalar corrimãos em rampas e escadas;
  • contar com pisos antiderrapantes e fitas de atrito em degraus;
  • ter camas com regulagem de altura;
  • disponibilizar objetos como copos, canetas, toalhas descartáveis e talheres de fácil manuseio.

No dia a dia, muito pode ser feito para ajudar os idosos. Retirar tapetes, mesas de centro, cadeiras e outros móveis e objetos que dificultam a movimentação, por exemplo, já é um ato de grande valia.

E lembre-se: coisas que são vistas como facilidades pelos mais jovens, como comunicados por e-mail e soluções por aplicativos de celular, podem ser um verdadeiro tormento para a maioria dos idosos. É preciso respeitar seus valores, idiossincrasias e limitações, o que nos leva ao segundo aspecto do bom atendimento a este público.

Os aspectos psicológicos no atendimento ao idoso

Neste tópico tratamos primordialmente de comunicação. Qualquer pessoa que tenha contato diário com idosos sabe o quanto eles podem ser exigentes.

Não é preciso dizer que, por esse motivo, é muito difícil conquistar a confiança deles. Por outro lado, assim que se conquista, eles passam a se sentir acolhidos e seguros.

Por essas razões é primordial cultivar uma boa relação, com pequenas atitudes que fazem grande diferença:

  • Levante-se para recebê-los, sorria, dê as boas-vindas e faça perguntas cordiais;
  • Seja claro nas palavras e use um tom de voz adequado para as suas limitações auditivas;
  • Deixe o paciente idosos se expressar, concluindo seu raciocínio;
  • Trate-o com gentileza. Não demonstre impaciência, rispidez e nem seja sarcástico;
  • Não deixe que seu cuidado com as palavras faça com que você o trate de forma infantilizada;
  • Compreenda seus valores e sentimentos e tome decisões de acordo com elas, na medida do possível;
  • Explique detalhada e didaticamente os serviços ou processos, esclarecendo todas as dúvidas e repetindo quantas vezes for necessário;

Segundo um estudo da UFMG, quase um terço dos idosos sofre com a depressão. Complicações na saúde podem agravar seu quadro. Considerando isso, um mau atendimento, além de reprovável, é desumano.

Por isso é importante redobrar os cuidados, o que também contribuirá para uma maior possibilidade no sucesso de qualquer tipo de tratamento.

O atendimento médico ao idoso

Até aqui abordamos aspectos abrangentes do atendimento ao idoso. Mas o principal não pode ser esquecido: o atendimento que diz respeito mais diretamente à sua saúde.

Vamos falar resumidamente sobre a abordagem profissional, ainda que ela já esteja clara no código de ética de cada função.

  • Prontuários de pacientes idosos precisam de informações complementares como riscos de queda, esquecimentos, convulsões e instabilidade de humor, entre outras;
  • Idosos têm direito a acompanhante, que será também o responsável por ele. Caso não seja possível um familiar ou conhecido acompanhar o paciente, a instituição de saúde deve providenciar;
  • O idoso, ainda que com capacidade cognitiva reduzida, tem o direito de decidir sobre os procedimentos realizados. Cada indivíduo sabe o que lhe causa sofrimento, por isso é importante que sua vontade seja respeitada;
  • Por outro lado, o profissional não pode omitir socorro. Caso um procedimento comprovadamente não cause sofrimento considerável, ele deve convencer o paciente idoso de sua necessidade;
  • Se o paciente idoso não tiver condições de tomar decisões, cabe aos familiares decidirem por ele. Primeiramente o cônjuge, mesmo que também seja idoso. Não sendo possível, a responsabilidade é dos filhos mais aptos.

Bom atendimento ao idoso também é lei

Lei 10.741, de 2003, também conhecida como Estatuto do Idoso, compila as boas práticas de atendimento à pessoa idosa.

Ou seja, a satisfação do paciente idoso não é apenas um importante fator de sucesso para sua instituição, mas também um dever de todos nós.

Faça sempre um acompanhamento frequente e cuidadoso das suas necessidades. Não prive-os do contato com outras pessoas. E faça de tudo para que eles se sintam seguros.

Você já adota boas práticas como as que mencionamos neste artigo em seu dia a dia? Então compartilhe e vamos disseminar a cultura do respeito à terceira idade!

Helioprint - soluções para área médica